sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Responsabilidade social

Despreendimento e amor ao próximo! Quando decidi destinar minha carreira profissional para a área de responsabilidade social não imaginava que ia me surpreender tanto. Alguns, que me olham apenas por fora, não acreditavam que eu, filha única, mimada, patricinha, tinha perfil para buscar melhorar a vida daqueles que mais necessitam.


Mas dentro de mim algo me incomodava. Não gosto do cômodo! Quando fui desafiada pelos meus primeiros líderes na Odebrecht a fazer uma pós em responsabilidade social coloquei vários obstáculos, mas eles foram firmes e investiram. Além da empresa pagar metade do curso, me liberavam toda segunda mais cedo para eu ir para a USP estudar! Claro que eles me desafiaram. E como amo um desafio lá fui eu, meio sem vontade. MASSSS…. Com o tempo não via a hora de chegar segunda e aprender mais. Fiquei viciada no tema… Sofri muito também porque mostrar para algumas pessoas que fazer responsabilidade social é diferente de auto promoção era quase impossível.


O tempo passou e fiquei excelente na teoria mas faltava a prática. Foi aí que meu ex-líder e um grande amigo me indicou para vir para Angola. Nunca esqueço o que ele me disse. A teoria você já tem, agora busque a prática. Vivencie o que é RS. E é isso que estou fazendo aqui!


Não pensem que do nada virei um poço de bondade! Não vim para fazer assistencialismo, vim para dar condições de pelo menos uma pessoa ter uma boa educação, um hospital aceitável e uma vida saudável. Se eu conseguir fazer isso, posso pegar minhas malas (que hoje são várias) e ir para outro canto…


Na quinta-feira me emocionei! Entregamos 65 cestas básicas para crianças de uma comunidade que vive abaixo da linha da pobreza! Vocês imaginam o que é isso? Viver abaixo da linha da pobreza é ser mais que pobre, é passar fome, ter zilhões de doença, não ter casa, não ter banheiro, enfim, é viver com nada!


Mas o que me surpreendeu não foi a situação que as pessoas dessa comunidade vivem, porque isso estou trabalhando para não ficar chocada quando vejo (aprendi na Pós), é ver como elas são carismáticas. Elas dançam, sorriem, tiram fotos, se divertem. Não vi pessoas deprimidas, não vi crianças tristes! Vi um povo alegre, cheio de vida, que ama dançar!!!


Fiquei também orgulhosa de ver que as lideranças da obra que estou, se preocupam em fazer ações sociais que beneficiem as comunidades, sem hipocrisia, sem benefício próprio. Apenas acreditando que este tipo de ação trás resultados positivos para nós como empresa!


Ainda não consigo dizer que sou uma expert em RS como sou em Comunicação Corporativa, mas que estou indo para o caminho certo, isso podem ter certeza!


Confiram as fotinhos!!!!


Porque será que as crianças choram no meu colo?!?




Equipe da Obra com o Diretor de Instituto Nacional da Criança


Tão munitinha essa menininha!!!





O jeito tradicional de carregar os filhos!









4 comentários:

Maria Gabriela disse...

Miga,

PARABÉNS!!!!

Aki no GASDUC!!!! Todo mundo se emocionou

;o)

MUITA SAUDADIIIII

e assim eu só desejo .... que ... março chegue

mioyos bjos

Amanda Mesquita disse...

Carol, nem tenho como escrever o quanto orgulhosa estou de você! Como pessoa!! =)
Felicidades ai viu!
Deus te abençoe!

Vera Lucia disse...

Carol.Orgulho de voce,saudades de voce.Tudo esta valendo a pena.Poucas pessoas sabem usar esse dom que Deus nos da.Compaixao.E voce esta exercendo muito bem.Te amo.Beijos

marciadepil disse...

Você tem o dom de emocionar as pessoas.
É tão lindo e gostoso, ver um ser humano como vc, se redescobrindo, deixando aflorar o seu verdadeiro eu,para que as pessoas consigam enxergar a verdadeira Carol.
saudadesss
Agora respondendo a pergunta da foto....kkk
Porque as crianças choram no teu colo?? será porque vc belisca elas???? kkkkkk
bjosss