terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Bem me quer! Mal me quer!


Linda esta imagem não acham!!! Estou no aeroporto esperando o vôo e a achei em um site.
Claro que a primeira coisa que veio na minha cabeça foi a brincadeira de adolescente, aquela que sempre fazemos quando estamos apaixonados. BEM ME QUER! MAL ME QUER!!
E no final a torcida é sempre pro BEM...

Fica aqui a dica.
Quando acharem uma flor bonita como essa, lembre-se de mim e digam que BEM ME QUEREM...

Boas vibrações a todos e um ano de 2011 cheio de realizações.

Frase para filosofar - Não vemos as coisas como são: vemos as coisas como somos!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

E dali anonimato!!!

Eu sou a pessoa que menos utiliza o anonimato na vida!!!! Começa pela internet. Tenho twitter, facebook, orkut e blog. Transparência é meu lema! Tudo bem que vai chegar um dia que vou cansar de ser tão tecnológica, mas enfim. É tão fácil descobrir coisas sobre você neste mundo tecnológico. Basta“googlear”o nome da pessoa procurada e “abracadabra”- aparece alguma coisa. É uma mágica maravilhosa. Pelo menos pra mim que confesso ser bem curiosa.

Investigar na rede está cada vez mais fácil e não ligo das pessoas procurarem saber quem sou. Por isso que meu blog é aberto a todos. No início servia para informar as pessoas como era a vida em Angola, depois passou a ser um muro de lamentações, depois voltou a ser informativo – Curitiba, agora está meio abandonado, mas em breve vai voltar a ser informativo. Meu blog é um circulo... roda, roda, roda e cai na mesma coisa.

Mas voltando. Creio que ser anônimo está cada dia mais difícil, mas tem aqueles que sempre nos instiga!! Pra mim acaba sendo um ato de covardia não se identificar, gostar de ficar no anonimato. Acho difícil gostar de viver uma ilusão, não se mostrar.

Mas... Diz a lenda que daqui uns anos vamos querer 15 minutos de anonimato... Que venha então o futuro.

domingo, 14 de novembro de 2010

Autobiografia!!!

Ontem estive em uma seleção de Portadores de Deficiência para ingressarem na obra e uma das questões da dinâmica feita foi a apresentação, meio uma autobiografia. Falei rapidinho sobre quem eu sou, mas quando cheguei em casa resolvi escrever quem é a Carol e saiu isso.

Acho que devo começar dizendo o óbvio. Meu nome é Carolina Tassinari Mariano, sou filha única e tenho 30 anos. Mas isso não informa muitas coisas sobre mim. Sou jornalista. E amo, do meu jeito, mas amo minha profissão. Já pensei em fazer outras coisas na vida (e várias até fiz), mas escrever e fazer todo o resto que a minha profissão exige me incita, me move, me motiva. Além de jornalista sou pós graduada em marketing e em responsabilidade social.

E foi com a responsabilidade social que vivi fora do país. Ahh... Não posso deixar de citar que também foi com o marketing que participei de vários eventos importantes. Já fiz muitos eventos na minha vida!

Passei no meu primeiro vestibular cedo, aos 17 anos – fisioterapia na PUC. Como assim? Isso mesmo. Cursei fisioterapia por dois anos antes de largar tudo e mudar de área. Antes de mudar de vida, de sair da casa dos meus pais e me aventurar em Santos. Confesso que sempre fui estudiosa, mas vivia com a galera do fundão da sala.

Estudei a vida toda em colégio de freira e meus amigos de infância ainda são meus amigos. Disso tenho orgulho. EU tenho amigos de infância. Também tenho vários amigos que conquistei ao longo do caminho. Amiga de faculdade – Amanda; amiga de Petrobras – Claudia; amiga de Odebrecht – Gabriela; amigos de Angola – Fernanda, Bruno e Gabioc. Enfim... AMIGOS.

Escrevi um texto cientifico que está publicado em livro, coordenei projeto, defendi tese, me entediei, fui parar em Angola. Se essa foi a decisão mais acertada ou mais louca da minha vida até hoje eu não sei.

Vislumbrei minha carreira vendo a pobreza ao vivo. Acho que consegui tirar disso tudo o melhor da experiência. Foi na África que vivi coisas inexplicáveis, sentimentos contundentes, intensos. Confesso que sinto saudades.
Tenho uma família linda. Meus pais estão juntos há 30 anos. Isso é animador quando se vê tantas pessoas infelizes e sozinhas. Meu avô, apesar da idade, continua lindo e seus olhos azuis mostram esperança e amor SEMPRE.

E eu, como em outras vezes, vou reinventando a paixão, o amor. Gosto da vida e te toda essa desorientação que ela gera. Afinal, esta sou eu.

sábado, 9 de outubro de 2010

Eu sei, mas não devia.

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a ganhar menos do que precisa. E a fazer fila para pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável. À contaminação da água do mar. À lenta morte dos rios. Se acostuma a não ouvir passarinho, a não ter galo de madrugada, a temer a hidrofobia dos cães, a não colher fruta no pé, a não ter sequer uma planta.

A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para esquivar-se de faca e baioneta, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.

Texto de Marina Colasanti.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Free Hugs Campaign....

Um tempo atrás, mais precisamente em um domingo de solidão e questionamento, resolvi caminhar em um parque de Curitiba. Andei, andei e andei. Só parei quando vi uma dupla sorridente com placas de free hugs campaign... Abraços grátis!

Primeiro, quando vi de longe, o que me chamou a atenção foi a alegria daquelas duas garotas. Coisa rara em Curitiba. Todos aqui são bem fechados e sorrir para estranhos é algo bem raro.

Quando vi a placa lembrei que já tinha visto na televisão uma campanha dessa que aconteceu em São Paulo. O humor daquelas pessoas era contagiante. Ri gostoso e me diverti com a reação das pessoas. Inclusive a minha. Eu não sabia se abraçava, se só sorria, se parava. Enfim....

Depois da passagem dessas garotas fiquei pensando. Como existem pessoas que transformam nosso cotidiano corrido. Você já parou para pensar como a gente corre e sempre está atrasado... atrasado para a vida? Tem trabalho demais, prioridades demais, coisas demais. E se amanhã a gente simplesmente não tiver nada. Se a gente morrer. Se a gente não der conta de viver?

Aff... quantas questões pipocam na minha mente. Acho até melhor parar de escrever e abraçar alguém, afinal é grátis.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Não achei um título adequado!

Entre pernas, passos e tropeços a gente vai deixando algumas coisas pelo caminho e encontrando outras... O que não pode é se subtrair. O processo tem que ser de acréscimo, sempre. Nada é tão definitivo assim e a gente nunca É, a gente ESTÁ...

Sempre digo que quem se aprofunda nas coisas, quem mergulha, sabe exatamente o gosto que tem o alimento cru porque não se contenta com o que está pronto, posto sobre a mesa.

A gente vai experimentando aqui e acolá, vai sentindo o ritmo, o tempo, tendo cuidado com algumas coisas e desrespeitando as placas de aviso de perigo de outras. A gente cai, levanta, chora, celebra. A gente vive. A gente se conhece através das reações dos outros a nós mesmos.

A gente trabalha ou estagna, regride ou evolui. A escolha é sempre nossa. Tal como as consequências. A gente resolve se entregar quando é tarde pra descobrir que pra respeitar o nosso próprio tempo, é preciso lembrar e ter o mesmo respeito pelo tempo do outro. E que muitas vezes, pra ser honesto, é preciso correr um risco do qual não queremos. Mas a gente corre.

A vida real, muitas vezes, nos é apresentada pulsante, em carne viva, sem maquiagem. Com as veias todas à mostra. O que pode ser desagradável de se ver ou emocionante como um parto...

O que posso dizer é que existem na vida pessoas sedutoras e seduzíveis por quem nos apaixonaremos "definitivamente" todos os dias e que amaremos "para sempre" hoje!

Sei que os grandes relacionamentos que tive foram os que me renderam as melhores metáforas. Que me despertaram uma vontade constante de ser uma pessoa cada vez melhor e mais inteira. Que me deram colo e não conselho e beijo na boca quando o silêncio ainda era a melhor resposta. Algumas dessas pessoas se foram antes que eu pudesse lhes contar uma história bonita e eu chorei feito menina. Outras ficaram até descobrir que uma caixa de lindt era o melhor presente que eu poderia ganhar no meio de uma noite triste... Outras, ainda, me cobraram respostas demais e eu só sabia que nunca aprendi a nadar porque tenho medo de água (o que por um lado pode ser também resposta para várias outras coisas).

Mas todas essas pessoas me desenvolveram e isso ficou comigo; são minhas porque faziam parte do meu potencial amoroso e elas vieram só pra me conduzir ao melhoramento do meu amor.

Hoje o meu grau de exigência aumentou muito porque aprendi que dar amor não é a mesma coisa que dar carência. Por isso fico sozinha pelo tempo que for necessário para ter novamente essa sensação de "encontro". Abandonei um monte de certezas, recuso sem pudor algumas regras e desrespeito várias vezes as placas de aviso de perigo.

Me divirto muito ou sofro, mas tenho cada vez mais faisquinhas nos olhos por viver as coisas em sua totalidade, sem recusar experiências e aproveitando diversas possibilidades.

Agora, tem um lado muito romântico meu que diz que a "tal pessoa" virá e enroscará uma margaridinha nos meus cabelos, fazendo pousar no meu rosto o sorriso de um beija-flor... ;-) e plagiará Neruda sussurrando ao pé do ouvido: "Quero fazer com você, o que a Primavera fez com as cerejeiras..."

É isso. Pule no tal abismo quando seu coração bater tão forte que só te restará pular. Vc só vai saber se fez a coisa certa, fazendo-a. Só se pode falar do que se conhece e não há como conhecer pela superfície, é preciso tocar verdadeiramente nas coisas e então, se deixar ser tocado por elas. O importante é lembrar que a escolha é sempre nossa e que no momento em que tudo nos foge ao controle é porque chegamos na parte mais importante do aprendizado.

Que o medo não tenha tanto poder sobre nós... E que não fiquemos condicionados por experiências anteriores -- há sempre uma oportunidade de surpresa, mas teremos que estar abertos a isso. Nada é tão definitivo.


"Que a minha vontade de ir embora se transforme na calma e na paz que mereço/ Que a tensão que me corrói por dentro seja um dia recompensada / Porque metade de mim é o que penso / A outra metade é um vulcão." (O.Montenegro)

sábado, 28 de agosto de 2010

Uma ou duas vinas?


Quem disse que é preciso sair do Brasil para aprender outra língua? Em Curitiba existe todo um vocabulário próprio. Em uma das minhas idas ao hospital para internar funcionário a fome bateu. Olhei para os lados, um carrinho de cachorro quente!!! OBA!!!! Adoro!!!
Pedi o cardápio e estava lá – pão, duas vinas, vinagrete, purê de batata. UAI.... VINA?!?! Questionei – Moça!?!?!? Vina quer dizer salsicha?!?! A mulher, bem antipática, típico do povo daqui, disse. SIM. Nem tive coragem de perguntar porque vina. Ela tinha uma cara muito brava.
O tempo passou e eu esqueci de pesquisar porque vina, até que fui jantar com uma amiga curitibana e no cardápio apareceu a maldita VINA. Ai perguntei a ela!!!!
A palavra “vina” em alemão quer dizer VIENA que define um tipo de salsicha consumida pelos alemães. Salsicha, na verdade, é “wurst”, o que formava Wienerwurst, ou seja, Salsicha de Viena. Mas quando outros imigrantes de origem não germânica provaram o prato, e diante da dificuldade em pronunciar a palavra wurst, adotaram a palavra Vina, designando qualquer tipo de salsicha. Só aqui é assim!
Ahhh... fora outras coisas engraçadas- calcinha é elástico de cabelo; piá é um menino; guria uma menina; mimosa é tangerina; polaco é uma pessoa branquinha, loira; azeite é óleo de cozinha; penal é estojo.
Portanto, quando vierem passear por aqui já sabem o significado das gírias mais bizarras da cidade.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Rosa...

Um dia eu ouvi que éramos todos iguais.

No semáforo, voltando do supermercado conheci Rosa. A mocinha tinha nome de flor - me pediu um real para poder "comer" um chocolate quente. Perguntei se ela estava na escola, ela sorriu e disse que gostava de brincar de boneca. Me chamou de tia, eu sorri, ela sorriu de volta. Não tinha blusa, não tinha dinheiro, mas tinha um sorriso do tamanho do mundo. Sorria de linda que era.

Me senti egoísta, medíocre, vazia. Não merecedora dos presentes que a vida me oferece todos os dias e eu desdenho. Me senti inútil!! Composta só de superfície, espaços vazios e nenhuma substância. Meu Deus, o que a gente tem feito da vida (e pela vida!) todos os dias???

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Porque a vida tem a cor que a gente pinta...

domingo, 1 de agosto de 2010

Singular

"Já ancorado na Antártida, ouvi ruídos que pareciam de fritura. Pensei: 'será que até aqui existem chineses fritando pastéis?' Eram cristais de água doce congelada, que faziam aquele som quando entravam em contato com a água salgada. O efeito visual era belíssimo. Pensei em fotografar, mas falei para mim mesmo: 'Calma, você terá muito tempo para isso...'. Nos 367 dias que se seguiram, o fenômeno não se repetiu. Algumas oportunidades são únicas." (Amyr Klink)

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Povo Frio?!?!?!?



Acompanho um twitter de um curitibano super engraçado e esta semana ele escreveu assim. Como vocês querem que sejamos calorosos. Aqui faz frio e as pessoas se fecham. Não é igual a Bahia que uma regata resolve o problema.
Fiquei pensando sobre isso e resolvi escrever. Nunca imaginei ir para um lugar onde as pessoas são tão fechadas. Ninguém te dá um bom dia, ninguém sorri do nada, ninguém te ajuda caso você se perca na rua. Realmente é um grande desafio manter um relacionamento aqui. E olha que nunca tive problemas em fazer amizades, mas aqui...

Curitiba tem um povo individualista e solitário! Sem generalizar é claro. Sempre encontramos pessoas que se diferem da maioria, mas é raro.

Até no salão onde faço a minha unha sinto isso. Faço a unha sempre com a mesma manicure, mas ela nunca me contou algo da vida dela. Confesso que é estranho, visto que no salão todo mundo sabe da vida de todo mundo. Kkk....

Tento entender e buscar o porquê das pessoas serem assim. Alguns dizem que é por causa do frio, outros que é por causa da descendência européia. Mas sei lá.

Sei que sinto falta do calor humano do baiano, da alegria do nordestino, do companheirismo do mineiro, do jeito malandro do carioca.

O bom que é apenas uma obra e daqui a pouco estarei em outro lugar. Confesso que adoro a cidade, mas as pessoas e o frio me desanima. Bem que a próxima obra poderia ser um lugar bem quente, de preferência em uma cidade de praia?!?!?!? Será que estou querendo demais?

terça-feira, 27 de julho de 2010

Quando você acha que já viu de tudo...

Quando você decide ir trabalhar em um dos países mais pobre do mundo, você acredita que viu de tudo. Mas não é bem por aí.

Estou trabalhando em uma obra com quase 3500 integrantes. É a primeira obra de grande porte que estou atuando. Orgulho né! Às vezes fico pensando como sou privilegiada de ter esta oportunidade. Aqui tudo é mega, gigante. Mas aí que mora o perigo. Quando o negócio é grande, os problemas também são.

Os problemas que via em Angola eram ingênuos - gente passando fome, de pessoas que não tomavam banho todos os dias por falta de água, essas coisas.

Aqui os problemas são diferentes. Vou explicar. Estou eu quietinha no meu canto quando escuto um ser dizendo o seguinte – Mataram um funcionário nosso... Já me deu um frio básico na barriga. Olhei pro lado e vi a assistente social pegar no telefone. Levantei e percebi pelo olhar das pessoas que o negócio era sério.

Era verdade. Um dos funcionários tinha sido morto a facadas por outro funcionário. Tudo bem que foi fora da obra e longe dos alojamentos, mas mesmo assim. Começou o caos.

Como ligar para a mãe do rapaz de 24 anos e dizer que ele estava morto? Como agir? Fiquei na porta da sala do serviço social quietinha esperando sem saber bem o que fazer. A assistente social daqui é “trecheira nata”. Pegou no telefone e ligou pra casa do rapaz, lá no interior da Bahia. A mãe estava sozinha e tem problema de coração. Não podíamos contar assim. Chegamos a uma irmã que mora em São Paulo. Ela teria que vir para Curitiba para reconhecer o corpo e tirar do IML. Não foi falado a ela que ele havia falecido no primeiro telefonema. Seu irmão entrou em uma briga e está em estado grave. É bem grave. Disse a assistente social. Pedimos que ela acalmasse a mãe e partisse para Curitiba no primeiro vôo.

Isso era umas 15h00. Hora de ligar para o seguro, acionar auxilio funerário (isso merece outro post), arranjar um vôo para levar o corpo e esperar a irmã chegar.

21h00 estávamos no aeroporto com uma plaquinha esperando pela pessoa. Ela abatida já sabia que o irmão havia falecido. Fomos direto para o IML. Burocracia e frieza são características básicas do local. Nada de ver o corpo. Primeiro mil papéis para assinar. Tínhamos que providenciar a certidão de óbito antes de qualquer coisa.

23h30 a irmã entra para reconhecer o corpo. Ninguém pode acompanhar, mas conseguimos burlar esta regra. Momento de tensão. Ela volta revoltada, chorando muito. Ninguém acredita até ver que realmente a pessoa está morta.

24h00 chegamos à delegacia. O frio era de matar. Os termômetros estavam marcando 2 abaixo de zero. Precisávamos pegar a declaração de liberação do corpo para que ele pudesse viajar. 2h00 estávamos no cartório. Ninguém queria nos atender. Sem a autenticação do cartório todo o trabalho seria em vão. 4h00 estávamos de volta ao aeroporto. Como carga, o corpo embarcou. Saímos de lá quase 5h30. Foi o tempo de ir em casa, tomar banho e voltar ao trabalho.

O corpo chegou em Vitória 11h00. A irmã ligou aqui querendo matar um. Disse que o caixão não era o que ela escolheu. Estávamos tão cansadas que nem discutimos. Hora de trocar a urna e seguir viajem. 19h00 o corpo chegou a seu destino. Ufa... missão cumprida. Podíamos ir para casa dormir.

Ai vem a frase – quando você acha que já viu de tudo, espere! Algo vai te surpreender!

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Curitiba abaixo de zero!!

Nunca imaginei passar tanto frio. Estou falando sério. Aqui o frio é de doer. Estava até comentando com uma amiga. Como uma cidade fria como essa não se prepara para os invernos? E olha que tem horas que acho que nem estou no Brasil, de tanto que a cidade é bem estruturada.

Pensem comigo. Todo mundo que vai a Londres e passa por aqui diz a mesma coisa. Londres é frio, mas aqui supera. Em Londres todos os lugares estão preparados para o frio. Os carros tem aquecimento até nos bancos e aqui? Aqui não... Todos os lugares são gelados. Fora a chuva que é entediante.

Ahh... o Curitibano está tão acostumado com este tempo maldito que não deixa de fazer nada. Academia, balada,shopping. Fiquei prestando atenção esta semana nisso. A chuva não segura ninguém em casa. Enquanto eles saem, eu não tenho ânimo nenhum pra sair de casa. É de casa pro trabalho, do trabalho pra casa. Nem cogito a opção – SAIR.

Fora a fome sem noção que tenho. Se eu não me controlo como o dia todo. O frio me dá uma fome animal.

Esta semana comprei uma ciroula. Sabem o que é isso? Aquelas calças de lã, mega broxantes, que se coloca por baixo da calça jeans? Então meus caros leitores. Imaginem o drama. Todos os dias acordo, tomo banho (martírio), coloco duas calças (ciroula e jeans), quatro blusas, luva, cachecol, gorro e vou para o trabalho. Confesso que ando até desanimada com a minha aparência. Impossível ficar bonita com este tanto de roupa.

Ahhh... esqueci de dizer que comprei uma bota (nada bonita) forrada com lã de carneiro. Para completar o visual uso duas meias e a bota... kkkkk.... Tenho certeza que estão imaginando como fico né... Confesso que não é fácil e para não me irritar nem ando me olhando no espelho. Melhor assim.

Cansei de ter dor de garganta e decidi que é melhor ficar feia mas com saúde, do que bonita doente. Concordam?

terça-feira, 20 de julho de 2010

Andar de ônibus em Curitiba é legal!


Onde no Brasil pegar ônibus é algo agradável e faz parte de passeio turístico? Em Curitiba isso acontece. Na verdade Curitiba é uma das capitais mais agradáveis de viver. Estou me referindo a estrutura de cidade e não as pessoas. É uma capital com cara de interior.
Com características inovadoras, a famosa rede integrada de transporte conta com 28 empresas privadas trabalhando e 465 linhas urbanas e metropolitanas.

O tal do Tronco Alimentador, que aqui chamamos de tubo, liga a cidade toda e se o ônibus que você pegou não te leva ao destino final, você pode pegar outro sem gasto nenhum.

Ahh.... e nada de ônibus no meio dos carros. O ônibus tem uma via expressa só para ele. Isso é ótimo porque quem anda de ônibus não pega congestionamento. Ninguém precisa sair de casa meia hora antes com medo de atrasos.

Outra coisa legal - os ônibus são biarticulados e cabem 180 passageiros. Quase não vejo pessoas em pé no busão. Claro que em horário de pico os ônibus lotam, mas nada exagerado.

Fiquei sabendo que este sistema de transporte foi copiado em vários países como Colômbia, Chile, EUA. Viu como somos chiques e inteligentes!

Caso você venha a Curitiba e não tenha carro, fique tranqüilo. Ônibus é a melhor opção. No site da URBS tem todos os horários e onde ele passa. http://www.urbs.curitiba.pr.gov.br.

Para meus leitores assíduos estou de volta!!!! Pelo menos uma vez por semana vou contando como é a vida em Curitiba!!! Ahh... e se vierem passear por aqui me avisem. Não esqueçam de trazer mil blusas. Aqui é muitooooooooooo frio.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Devaneios...



Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes. Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos, terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo. Se quiser um casamento gratificante, terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse objetivo. O sucesso é construído à noite! Durante o dia você faz o que todos fazem. Mas, para obter resultado diferente da maioria, você tem que ser especial. Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados.

Não se compare à maioria, pois infelizmente ela não é modelo de sucesso. Se você quiser atingir uma meta especial, terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chope com batatas fritas. Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente da televisão. Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina com uma Skol, caipirinha e outros drinks ao seu lado.

A realização de um sonho depende de dedicação. Há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica. Mas toda mágica é ilusão. A ilusão não tira ninguém de onde está. Ilusão é combustível de perdedores.

"Quem quer fazer alguma coisa, encontra um meio. Quem não quer fazer nada, encontra uma desculpa".



BOM MESMO É IR A LUTA COM DETERMINAÇÃO,

ABRAÇAR A VIDA COM PAIXÃO,

PERDER COM CLASSE, E VENCER COM OUSADIA

PORQUE O MUNDO PERTENCE A QUEM SE ATREVE,

E A VIDA É "MUITO" PRA SER INSIGNIFICANTE.
 

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Novo desafio...


É sempre estranho chegar em uma obra! Olhares curiosos! Bom dia agradável de uns, bom dia atravessado de outros! Alguns nem bom dia te dão. Eu como sou chata, faço questão de sorrir exatamente para essas pessoas.




Frio na barriga é normal. As mulheres se sentem ameaçadas e os homens atiçados! Curiosidade geral!



Muitos nomes para guardar, gerentes de monte! Sempre encontramos alguém conhecido. Esse é o famoso trecho!



Curitiba me parece ser uma cidade agradável, cheia de coisa pra fazer! Diferente de Angola podemos conviver com outras pessoas fora do trabalho.



O dia está chuvoso! Dizem que a chuva trás bons presságios... Assim espero.



A obra, a primeira vista, é assustadora! Gigante! Bom ter o privilégio de trabalhar em uma obra de grande porte! No começo serei mais uma na multidão, mas o bom do tempo é que as coisas mudam.



Para a alegria de todos, o Loucuras de Carol está retornando com a corda toda!!! Amigos, curiosos, fofoqueiros, pesquisadores de plantão, muito obrigada! Devido a vocês o meu blog tem bombado!!!!



Continuem lendo...

domingo, 4 de abril de 2010

Feliz Páscoa!

RECEITA DE OVO DE PÁSCOA ESPECIAL



Ingredientes:
Perdão, alegria, paciência, fé, perseverança, vontade de ser feliz e paz.

Modo de fazer:
Misture no recipiente bem lavado de sua alma, chocolate, mais perdão e alegria.

Deixe calmamente em banho-maria até que todas as mágoas e rancores sejam depurados.

Espere esfriar um pouco, salpicando perseverança e paciência...

E despeje nos dois lados do coração.

Prepare seu bombom predileto com recheios de paz e vontade de ser feliz.

Ore nesta hora.

Desenforne as duas partes moldadas no coração.

Coloque dentro os bombons. Os embrulhe com papel transparente de amizade verdejante e reluzente de esperança.

Amarre com fitas prateadas de carinho e os mande para as pessoas que lhe querem bem e para quem e para quem não lhe entende também...

É tempo de redenção!

segunda-feira, 15 de março de 2010

Chances....


Provavelmente, quando tudo estiver decidido, quem serão os sortudos que vão sobreviver ao percurso todo?  Apesar de você dizer que eu poderia ser a sua resposta, nada dura para sempre, não importa como me sinto hoje.


Provavelmente encontraremos uma nova equação. As chances rolam para longe de mim e as possibilidades são tudo o que eles esperam ser.

Não me interprete mal, eu nunca diria nunca. Porque apesar de o amor poder mudar com o tempo, nenhum ato de Deus pode me afastar de você.


Eu sou apenas uma mulher realista, uma garrafa cheia de conchas e areia, com medo de amar além do que eu posso, perder quando se trata de você.


Provavelmente encontraremos dois destinos.


As chances rolam pra longe de mim. Ainda assim chances são mais do que expectativas. As possibilidades sobre mim. É uma luta de dois para um.


Coloque o seu dinheiro no sol. Até você falhar, o que você fez? Existe uma aposta melhor do que o amor?


Você é apenas o que respira, você tem que chorar antes de cantar.
Chances, chances
Chances perdidas são as páginas de esperanças rasgadas


Talvez desta vez, provavelmente seremos a combinação


As chances vem e me levam
As chances estão esperando para serem tomadas, e eu posso ver


As possibilidades são as fascinações
As chances não vão escapar de mim
As possibilidades são apenas o que fazemos delas e tudo que de que preciso...


http://www.youtube.com/watch?v=Lowr5C65zfA

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Apenas palavras...

Chorar nao resolve.
Falar pouco é uma virtude.
Aprenda que se colocar em primeiro lugar não é egoísmo e o que não mata, com certeza, fortalece.
Às vezes mudar é preciso.
Para qualquer escolha se segue alguma conseqüência.
Vontades efêmeras não valem a pena.
Quem faz uma vez não faz duas necessariamente, mas quem faz dez, com certeza faz onze.
Essa história de que é melhor acordar arrependido do que dormir com vontade é mentira!
Perdoar é nobre, esquecer é impossível.
Nem todo mundo é tão legal assim, e de perto ninguém é normal.
Quem te merece não te faz chorar.
Quem gosta cuida.
O que está no passado tem motivos para não fazer parte do seu presente.
Não é preciso perder para aprender a dar valor e os amigos ainda se contam nos dedos.
Aos poucos você percebe o que vale a pena, o que se deve guardar para o resto da vida, e o que nunca deveria ter entrado nela.
Não tem como esconder a verdade, nem tem como enterrar o passado, o tempo sempre vai ser o melhor remédio....

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Comece doando amor!

Engraçado como as coisas são. Confesso que estou bem desanimada com o meu blog. Acho que o desânimo não é só com o blog, mas enfim. Ontem recebi duas mensagens que me fizeram ver que não posso deixar de escrever. Nem que seja para dizer que está tudo bem, que as coisas estão caminhando, que a vida segue seu caminho.

Ao entrar no orkut pela manhã, me deparei com uma nova solicitação de amizade. Na foto apenas um olho verde muito bonito. De nome Charles, o novo amigo virtual escreveu assim – Li seu blog inteiro, AMEI! Estou indo para Angola neste mês. Escreve mais pelo amor de Deus...

Mesmo com este pedido tão angustiante não tive pique para sentar e escrever. O máximo que fiz foi logar e mexer um pouco no layout da página. Ao ver que tenho que tirar ANGOLA do meu perfil desisti. No fundo queria só mudar no momento que estivesse embarcando para outra aventura.

No fim da tarde, outra bomba... risos. Elisa, minha seguidora do blog me deu um baita puxão de orelha via orkut escrevendo assim: Carol, mesmo numa vida menos “louca”, não deixe o loucurasdecarol de lado não... tá fazendo falta. O que você escreve é sempre inspirador! Volta, volta, volta!!!

É por vocês, Charles e Elisa que estou voltando a escrever. Não esperem muito, mas prometo que vou me esforçar. Aos outros seguidores do blog, espero que fiquem felizes com o meu retorno.

Charles – tenho uma coisa para te contar sobre Angola que nunca escrevi no blog. Se o pneu do seu carro furar e você tiver a brilhante idéia de procurar um borracheiro, ESQUECE!!!!! Nas províncias é muito raro encontrar borracheiros, então antes de se aventurar pelas estradas do País, faça uma revisão no carro e confira se o estepe está ok. Gasóleo (diesel para nós brasileiros) também falta nos postos, então se previna!

Bom... Vocês se lembrar da Telminha?!?!?!? A garotinha que vi comendo terra porque estava com fome e depois de um tempo resolvi ajudar?!?!?! Então... ela está cada dia mais linda, podem ficar sossegados. Mas não quero falar especificamente da Telma.

Ao escrever a história desta criança muitas pessoas se prontificaram a ajudar e eu disse que não havia necessidade. Que assim como existia uma Telma em Angola, no Brasil existiam milhares de Telmas precisando de ajuda. Para ser mais atual, quantas pessoas ajudaram os que sofreram com o terremoto no Haiti?

A mim parece hipocrisia se mobilizar para ajudar os de longe quando há tantos por perto tão carentes de tudo. Não que eu não me sensibilize com a situação do Haiti ou de Angola. Até faço campanha para ajudar. Mas e os meus? Os que estão aqui no meu quintal? O que tenho feito?

Antes de querermos ser as “almas bondosas” que ajudam os de lá, olhemos para os nossos de cá. Há muita miséria e falta de amor debaixo de nossos narizes. E cada um de nós pode fazer a diferença. Se conseguirmos ajudar os de cá e os de lá, ótimo. Mas não reclamem do mundo ao redor de vocês, enquanto vocês nada fizerem pelos mais necessitados. Não imagine que do seu lado não exista miséria. Ela existe sim e você pode ajudar a diminuí-la. Como?!?! Pense um pouquinho! Tenho certeza que vai encontrar uma maneira de ajudar. Vá visitar os doentes no hospital, seja voluntário em um abrigo de criança, ensine informática na igreja, leia histórias de amor para velhinhos em um asilo, brinque de pique esconde com crianças deficientes mentais. Não precisa doar dinheiro. Comece doando amor. É de graça e faz um bem danado.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Nada de promessas em 2010!

A gente vive fazendo promessas.

Promete que vai emagrecer.

Promete que nunca mais vai cortar o cabelo tão curto.

Promete que no ano que vem vai ficar mais em casa.
Que não vai mais fazer isso, fazer aquilo...

A gente faz e ouve muita promessa, né?

Mas você já parou para pensar como é difícil cumprir uma promessa?

No calor da emoção, a gente promete tudo.

Mas pior que não cumprir uma promessa para alguém, é não cumprir as promessas que fazemos para nós mesmos.

Prometer é assinar promissórias de fidelidade que a gente pode nunca pagar.

Acreditar em promessas é exigir o compromisso do outro.

Já pensou nisso?

Então, no lugar de prometer, faça força pra agir.

Faça um pouquinho do possível a cada dia.

Dê o mínimo que seja e espere pouco também.

A vida fica mais leve assim.

Sem cobranças, sem expectativas.

Mesmo que a intenção seja boa, só os gestos são fiéis.

Sendo assim, esqueça as promessas e só ofereça o que você realmente tem para dar.

E se o que você tem pra dar for bom...

Nossa! Vai fazer qualquer um feliz.

QUE 2010 SEJA MARAVILHOSO!!!!!